domingo, 17 de setembro de 2017

AZEITE DE OLIVA CONTRA A OSTEOPOROSE



Guarde bem este nome: oleuropeína.
A substância, encontrada no azeite de oliva extravirgem, é a nova arma da nutrição para evitar e combater a osteoporose, doença que acelera a perda de massa óssea.

O cálcio que se cuide, porque seu posto solitário de melhor companheiro do esqueleto anda ameaçado.

Calma, o mineral não vai perder seu lugar de destaque como protetor dos ossos - muito longe disso. A questão é que a ciência descobre fortes concorrentes para dividir com ele essa prestigiada posição. É o caso da oleuropeína, presente no azeite de oliva.

Um estudo da Universidade de Córdoba, na Espanha, revela que esse tipo de polifenol aumenta a quantidade de osteoblastos, células que fabricam osso novinho em folha. Consumi-la , portanto, traria imensas vantagens para manter o arcabouço do corpo em pé ao longo da vida.

"O tecido ósseo é dinâmico, destruído e construído constantemente",
explica o geriatra Rodrigo Buksman, do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia, em Brasília.


Os osteoblastos ajudam justamente a realizar a reconstrução. É como se fossem a massa corrida colocada na parede para tapar os furos que aparecem com o tempo. Sem essas células, os buracos ficam maiores, os ossos se enfraquecem e cresce o risco de fraturas. 


O envelhecimento e a menopausa provocam uma queda na concentração de osteoblastos no organismo. Daí a importância da reposição desses construtores, que recebem um belo reforço com a inclusão do azeite de oliva extravirgem no dia a dia, a melhor fonte de oleuropeína.

"Aos 30 anos nosso corpo atinge a quantidade máxima de massa óssea e, a partir daí, começa a perdê-la", nota o ortopedista Gerson Bauer, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo.

Por isso é que se diz que a prevenção da osteoporose se inicia muito antes da maturidade. "Essa doença se caracteriza pela diminuição progressiva da densidade óssea, o que torna os ossos mais frágeis e propensos às fraturas", arremata a nutricionista Clarisse Zanette, mestre em ciências médicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Com o azeite, no mínimo, esse processo destrutivo demora mais tempo para ocorrer. E, se alguém quiser substituir sua fonte de oleuropeína de vez em quando, saiba que existe mais uma opção. "A substância também é fornecida pela azeitona, de onde o óleo é extraído", diz Clarisse.


Não são apenas os ossos que se deliciam quando saboreamos um prato regado a azeite. O coração também se beneficia, porque suas veias e artérias ficam livres de entraves. "A gordura monoinsaturada, principal constituinte do óleo, interfere nos receptores do fígado que captam o colesterol circulante", explica o cardiologista Daniel
Magnoni, do Hospital do Coração, em São Paulo. "Assim, há uma redução nas taxas da sua versão ruim, bem como de sua quantidade total." 



Já os compostos fenólicos do azeite diminuem a oxidação do colesterol, processo crucial para a formação das placas que obstruem as artérias e causam as doenças cardiovasculares. "Esse poder se deve à sua intensa atividade antioxidante", justifica a cardiologista Paula Spirito, do Hospital Copa D'Or, no Rio de Janeiro. "Esses compostos impedem que os radicais livres - moléculas que provocam danos às células - oxidem o colesterol e contribuam com o aparecimento de placas nos vasos.



" A circunferência abdominal é outra que agradece o consumo do azeite. É que o alimento ajuda a evitar a inflamação de uma área do cérebro chamada hipotálamo. A inflamação é provocada por dietas ricas em gorduras saturadas, presentes nas carnes e nos produtos de origem animal. Como o hipotálamo é o órgão responsável pelo controle da fome e do gasto energético, não é um exagero dizer que o óleo de oliva auxilia a manter a harmonia na massa cinzenta e, assim, a afastar os quilos a mais. Além disso, ele acelera a produção de um hormônio chamado GLP 1, que age no cérebro aumentando a saciedade e reduzindo o apetite.


A oleuropeína - voltamos a falar dela - tem participação no pelotão antiinflamatório. "Esse polifenol tem propriedades antioxidantes significativas, inibe a agregação de plaquetas e reduz a formação de moléculas inflamatórias em todo o corpo", afirma a nutricionista Mércia Mattos, da Faculdade de Medicina de Marília, no interior paulista.

Tantas propriedades se refletiriam em um menor risco de uma porção de males, entre eles infartos e derrames. Por falar em proteção, vale destacar, ainda, que esse antioxidante também resguarda as mitocôndrias, estruturas dentro das células responsáveis pela obtenção de energia - dessa forma, fica mais difícil uma célula se aposentar antes da hora.

Resultado de imagem para azeite de oliva


Quando regamos o prato com azeite extravirgem, porém, não ganhamos apenas boas doses de oleuropeína. O tempero é uma ótima fonte de vitamina E. "Esse nutriente retarda o envelhecimento das células, diminuindo o risco de tumores e doenças do coração", aponta a nutricionista Soraia Abuchaim, do Conselho Regional de Nutricionistas do Rio Grande do Sul. O melhor é que, para desfrutar de tudo isso, bastam 2 colheres por dia. Mas tem que ser do tipo extravirgem, que concentra maiores teores da substância.

De preferência, use-o em saladas e ao finalizar pratos quentes - o azeite não gosta de calor e, se for lançado ao fogo, perde grande parte de suas qualidades. E só o sabor, nesse caso, não basta, certo?
Fonte: revistasaúde

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

CAMINHADA NÓRDICA,..... MAIOR GASTO CALÓRICO E MENOS IMPACTO.

Resultado de imagem para caminhada nórdica
A caminhada nórdica nasceu como esporte de verão nos países do norte da Europa. Para não perder o ritmo do treino durante os meses sem neve, os esquiadores passaram a levar seus bastões para fazer trilhas nas montanhas. A atividade virou febre no continente e acabou de desembarcar aqui – se você mora em cidade grande, já deve ter visto alguém caminhando na rua ou no parque com os bastões.
Esses acessórios são a grande sacada do esporte. Parecidos com os utilizados no esqui, obrigam a acionar mais músculos do que na prática convencional. “Ao fazer o movimento de vaivém com os bastões, você trabalha braços (principalmente o tríceps), ombros, costas e peito, além de pernas, glúteos e abdômen, que já são recrutados na caminhada normal”, comenta a professora de educação física Cida Conti, de São Paulo, que desenvolveu uma técnica de condicionamento baseada no método e forma professores da modalidade. Com mais músculos em ação, o gasto calórico aumenta até 25%, de acordo com uma pesquisa da Universidade de Brighton, na Inglaterra. Assim, se uma hora de caminhada normal queima 320 calorias, o mesmo tempo e intensidade de caminhada nórdica detona 400 calorias. “O acessório também deixa a atividade mais dinâmica, pois funciona como um impulsor, favorecendo a amplitude da passada e a velocidade do exercício”, completa Cida.

Mais fôlego, menos impacto

Resultado de imagem para caminhada nórdica

Além de turbinar o gasto calórico e acelerar a perda de peso, a caminhada nórdica sai na frente no quesito capacidade aeróbica, pois eleva a frequência cardíaca 15% mais do que a prática normal. Faça o teste: ande alguns minutos sem os bastões e tire a pulsação. Em seguida, caminhe o mesmo tempo e na mesma velocidade usando os bastões e comprove os batimentos mais acelerados.
Tem mais: caminhar com os acessórios permite apertar o passo e sobrecarregar menos os joelhos. “A redução acontece porque você trabalha também com os apoios dos braços, transferindo o peso do corpo a cada passada”, explica o ortopedista Fabio Ravaglia, de São Paulo, que é um dos pioneiros na prática da modalidade no Brasil. E o exercício ainda fortalece o esqueleto. Um professor da Universidade de Graz, na Áustria, conduziu um estudo para determinar os efeitos dele em portadoras de osteoporose e constatou um aumento da densidade óssea das participantes. “O impacto dos bastões com o chão vai aumentar a densidade dos ossos de braços, mãos e escápulas e fortalecê-los”, fala Fabio. As costas também agradecem. “Usados na altura certa, os bastões obrigam a caminhar com a coluna reta, o que previne dores e desvios na postura”, diz ele.

Acessório sob medida

Resultado de imagem para caminhada nórdica

Para praticar sem se machucar, você vai precisar de um par de bastões do comprimento ideal para a sua altura. Alguns modelos têm tamanho fixo (geralmente entre 90 centímetros e 1,35 metro) e outros possuem ajuste de altura. Na hora de escolher o seu, cheque se o comprimento do bastão na vertical fica entre o umbigo e o peito. Outro jeito de descobrir é segurar o bastão com os cotovelos flexionados a 90 graus – ele deve ter a altura das mãos até o chão. Feitos de fibra de vidro ou alumínio, eles são leves – cerca de 300 gramas os dois – e resistentes a topadas e terrenos acidentados. Existem várias marcas e versões do equipamento, com preços que vão de 80* a 350* reais. Ele deve sempre ter uma empunhadura com uma espécie de luva sem dedos na extremidade de cima e, na de baixo, uma ponteira emborrachada, que pode ser retirada quando você for usar em superfícies macias, como a areia.
Fonte: Revista Boa Forma








.

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

PILATES OU RPG ??????

Com o crescente interesse por um estilo de vida mais saudável, muitas pessoas têm procurado formas de se sentir bem com o corpo muito além do âmbito estético. Uma das principais preocupações é com a postura, uma vez que o descuido pode causar dores na coluna (cervical, lombar e torácica), desvios (hiperlordose, cifose e escoliose), hérnia de disco, bursites, tendinites, lesões por esforço repetitivo, cefaleias e bruxismo.
                                         PILATES
Entre as atividades mais procuradas para a correção da postura estão o Pilates e a RPG (Reeducação Postural Global), por terem seus benefícios cada vez mais difundidos por praticantes ou pacientes e discutidos pela mídia. No entanto, ainda é muito comum que se faça confusão ou não se saiba a diferença entre elas.
                                               RPG
A RPG é uma forma de fisioterapia que promove o ajuste postural em prol da reorganização dos segmentos do corpo humano, e influencia até mesmo a maneira de respirar do paciente em tratamento. De acordo com a Sociedade Brasileira de RPG, o sistema corrige lesões e deformações do corpo, além de ensinar o paciente a se posicionar de forma correta, curando danos, evitando novos problemas e proporcionando equilíbrio.
O Pilates é um método de alongamento e exercícios físicos profundamente baseados na anatomia humana, que se utilizam do peso do próprio corpo em sua execução. O Pilates restabelece e aumenta a flexibilidade e a força muscular. Igualmente à RPG, a prática melhora a respiração, corrige a postura e previne lesões.
                                           PILATES
A analista de Responsabilidade Social Julia Gomes, 30 anos, experimentou as duas modalidades na busca pelo tratamento de uma bursite no ombro e afirma que são bastante distintas entre si. Segundo ela, a RPG tratou as dores e orientou como devia se sentar, dormir, carregar objetos e viver melhor no dia a dia. Já o Pilates conferiu mais tônus e definição muscular, melhorou a respiração e o condicionamento físico.
“O Pilates foi o exercício que me trouxe maior resultado em curto espaço de tempo: fortalece os músculos e, de quebra, corrige postura. Mesmo o yoga power, que eu fiz por mais de um ano, não trouxe um resultado muscular tão bom como o Pilates”, conta Julia Gomes. “Ele [o instrutor] ia orientando como tonificar outros grupos musculares para fortalecer e minimizar a sobrecarga”, completa a analista.
 
                                                                 RPG                                                                       


Vale lembrar que, independente da escolha, deve-se passar por uma avaliação física e ter o acompanhamento de um profissional capaz de conduzir o tratamento e a prática de exercícios conforme a necessidade e limite do paciente ou cliente.
 Fonte: revistapilates


domingo, 30 de julho de 2017

O QUE A RPG (REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL) PODE FAZER PELA CIFOSE - " CORCUNDA" ??

Resultado de imagem para BOA POSTURA EM PÉ

hipercifose torácica é definida como um aumento da curvatura no plano sagital da coluna torácica. Uma cifose torácica média apresenta 37° Cobb (método de avaliação e quantificação dessa curva).  Sendo que alguns autores determinam entre 20º a 50º Cobb o limite entre o fisiológico e o patológico. Esta desenvolve-se, com maior frequência, em pessoas idosas, sendo mais acentuada nas mulheres.
As curvaturas da coluna são definidas durante o crescimento e suas amplitudes variam de indivíduo para indivíduo. Dessa forma, é necessário levar em consideração a variedade fisiológica para classificar essas curvaturas em patológicas e não patológicas. As hipercifoses patológicas podem ser divididas em dois grandes grupos, aquela em que o caráter patológico se deve a importância de sua curvatura e aquelas em que a característica patológica é inegável como nos casos de doenças congênitas ou adquiridas, as quais são responsáveis pelo desenvolvimento da curvatura acentuada. Podem ser ocasionadas, também, pela adoção de posturas inadequados e condicionamento físico insuficiente.

Fisioterapia Quintana

Hipercifose secundária a patologias
Algumas doenças podem levar a uma deformidade da coluna, como é o caso da osteoporose e da espondilite anquilosante, que através de processos degenerativos, alteram a morfologia das vértebras. A constituição da coluna vertebral pode sofrer inúmeras alterações em sua constituição a partir do enfraquecimento muscular e das alterações osteoarticulares.
Hipercifose e postura
O tipo mais comum de cifose é a postural, conhecida também pela denominação de dorso curvo postural. Na verdade não é uma patologia definida da coluna, mas a posição em que o indivíduo desempenha as suas atividades rotineiras é que pode causar essa curvatura.
O cuidado pessoal com a coluna é fundamental no tratamento e na prevenção dos problemas de coluna: atentar-se com maneira correta de sentar, de apanhar algo no chão ou de carregar um peso, de deitar ou de dirigir automóvel, constituem o primeiro passo que leva aos bons resultados terapêuticos. A boa postura não deve ser um fim em si mesmo, mas uma parte do bem estar geral do indivíduo (Kendall, 1997).
O tratamento com fisioterapia e RPG

                                                                               Fisioterapia Quintana

Grande parte das hipercifoses torácicas são corrigidas pelo tratamento fisioterapêutico. Na literatura aborda-se técnicas de fortalecimento muscular dos músculos próximos da coluna, bem como os abdominais e demais estabilizadores; orientações posturais; mudanças de hábito com o uso de colchões e palmilhas.
Uma técnica muito reconhecida e difundida pelo mundo é a Reeducação Postural Global (RPG) que é um método totalmente isento de medicamentos e que consiste em ajustamentos posturais para reorganização dos segmentos do corpo humano, o que permite a reorganização e o reequilíbrio dos músculos que mantêm a postura. Identifica e alonga os músculos considerados responsáveis pela alteração postural. A RPG representa uma série de exercícios práticos para evitar e aliviar os diversos tipos de dores com movimentos que ajudam a alongar a musculatura e contribuem para dar mais forma ao corpo.
Fonte: http://www.rpgsouchard.com.br/















domingo, 11 de junho de 2017

LADDER BARREL E A SUA FUNCIONALIDADE

LADDER BARREL E A SUA FUNCIONALIDADE







O Ladder Barrel é um aparelho que promove exercícios para desenvolver a força dos músculos abdominais, o alongamento e a flexibilidade.


A imagem pode conter: área interna
FISIOTERAPIA QUINTANA


Ele possui uma espécie de tambor estofado que tem a função de ajudar no apoio das costas e dos ombros, permitindo que o praticante curve-se para frente e para trás, trabalhando os músculos mais profundos do abdômen. No lado oposto do aparelho há uma escada, conectada ao barril por uma base deslizante que se ajusta ao comprimento da perna.




Apropriado para o fortalecimento da coluna e o abdômen.

Atua na correção da postura, aumento da flexibilidade, poder de alongamento e coordenação motora.

Alivia o stress, as dores musculares e aumenta a capacidade respiratória.

sábado, 3 de junho de 2017

PILATES , OSTEOPATIA E RPG, TÉCNICAS QUE ESTIMULAM COORDENAÇÃO MOTORA E EQUILÍBRIO



Resultado de imagem para rpg fisioterapia

Resultado de imagem para osteopatia estrutural

Resultado de imagem para rpg fisioterapia


Neuroplasticidade é uma área moderna da saúde que se dedica a estudar a capacidade que o cérebro tem de modificar sua estrutura e suas funções, de acordo com estímulos, mas também em razão de experiências anteriores. Estes estudos têm revelado importantes perspectivas de reabilitação e de prevenção de doenças neurológicas.

Segundo a fisioterapeuta Marcela Fonseca Batistuta, o estudo da neuroplasticidade demonstra que os cérebros das pessoas mais velhas não degeneram, mas têm uma evolução particular, de acordo com a atividade que realizam. “Isso é o que torna essas pessoas ‘sábias’ quando chegam à velhice. 

Essa área, também conhecida como plasticidade cerebral, é a capacidade de remapeamento das conexões das nossas células nervosas. O processo nos ajuda a aprender continuamente. Ela se refere à maneira que o nosso cérebro age e reage à medida que experimentamos uma mudança em nosso ambiente ou desenvolvemos alguma habilidade. Ou seja, o cérebro muda de forma de acordo com as áreas que mais utilizamos”, esclarece.

A especialista destaca que, à medida que envelhecem, ocorre naturalmente uma deterioração maior no hemisfério direito do cérebro de uma pessoa do que no esquerdo. “Isto acontece porque a maioria das pessoas usa mais o hemisfério esquerdo, que é o encarregado de colocar em ação tarefas já aprendidas e consolidadas. Para aprender algo, necessitamos mais do hemisfério direito, mas quando alcançamos certo nível de perícia, essas atividades passam a ser controladas pelo hemisfério esquerdo.

Ao longo da vida, acumulamos um repertório de destrezas cognitivas, ou seja, habilidades e a capacidade de reconhecer padrões, o que nos permite abordar novas situações com familiaridade. É o que popularmente chamamos experiência”, afirma Marcela.
A fisioterapeuta ressalta que, sendo assim, à medida que envelhecermos, a atividade mental estará mais dominada pelas “rotinas cognitivas” ou, em outras palavras, pelo “piloto automático”. “Isto não é ruim, pois permite resolvermos problemas complexos com o reconhecimento instantâneo de padrões. Sem muito esforço, resolvemos problemas que podem representar um verdadeiro desafio para uma mente mais jovem. 

Porém, a estimulação cognitiva, através de exercícios de Reeducação Postural Global (RPG), osteopatia e Pilates, obriga o cérebro a utilizar o hemisfério direito, sendo um ingrediente importante para o estilo de vida, ajudando até mesmo a evitar a deterioração do cérebro”, revela a especialista.

Isto significa que uma vida mental intensa desempenha um papel essencial no bem-estar cognitivo, especialmente nas etapas mais avançadas da vida. “Estas técnicas têm essa característica e são cada vez mais exploradas por recrutar áreas do cérebro antes adormecidas, porque exige concentração para execução de exercícios desafiadores e cada vez mais progressivos para a coordenação motora e o equilíbrio, em razão do estímulo ao desenvolvimento de uma consciência corporal”, completa Marcela Batistuta.
Fonte: JMONLINE











.