quarta-feira, 29 de julho de 2009

MOCHILAS E A SUA COLUNA



DE OLHO NA POSTURA NA HORA DE USAR A MOCHILA

Ortopedista chama a atenção para a postura correta na hora de usar a mochila. A intenção é desmistificar a idéia de que a mochila é a vilã da coluna, quando a verdadeira vilã é a postura incorreta.


Em pleno começo de ano letivo não há muito que temer, pelo menos, em relação às mochilas das crianças e dos adolescentes. Há praticamente um “mito” de que as mochilas são as vilãs da coluna e que podem causar problemas à saúde, mas não é bem assim. A atenção, nesse caso, deve estar mais voltada para a má postura dos jovens. Para que não haja dúvidas na hora de colocar a mochila nas costas, o ortopedista Ricon Jr. dá algumas dicas:


∙ Verificar se a mochila está bem moldada no corpo e bem acoplada nas costas;


∙ Escolher os modelos que tenham tiras confortáveis;


∙ Evitar as mochilas de um único ombro, pois esse modelo força mais a coluna e os músculos trapézios, que fazem o contorno do pescoço e ombro;


∙ Não deixar espaços para que oscile de um lado para o outro;


∙ Carregar realmente o necessário;


“Quanto mais leve for o peso melhor, não há dúvida, mas o que acontece é que há um vício de postura em algumas crianças e jovens, que acabam carregando a mochila de forma ergonomicamente incorreta. Além disso, a maioria carrega a mochila para ir e voltar da escola e não o dia inteiro”, ressalta o Dr. Ricon Jr.


Os vícios posturais podem ser sim os grandes vilões, pois a postura incorreta no dia-a-dia pode acabar em lesões, como as contraturas musculares. “É preciso ficar sempre atento à postura dos jovens. Seja na hora de ir para a escola, na hora de comer, de ver televisão, etc”, alerta o ortopedista. Por isso, manter a coluna sempre ereta, o abdômen contraído, a respiração correta e praticar atividades físicas regulares, são hábitos que fazem a diferença para a saúde.




VEJA TAMBÉM MATÉRIA PUBLICADA EM
7 DEZ 2009
PROBLEMA REFERENTES AO PESO DAS MOCHILAS

terça-feira, 28 de julho de 2009

8 MANEIRAS DE DEFINIR A BARRIGA

8 maneiras de definir a barriga


Monte a combinação perfeita para ganhar tônus.
A competição é acirrada: de um lado, a vontade em conseguir o abdômen definido. Do outro, a preguiça em encarar o abominável sobe e desce dos abdominais. Entre um e outro, ficam você e a culpa por não dar um fim nessa situação. "Mas existem outras maneiras de definir o abdômen, ganhando tônus e alcançando a hipertrofia dos músculos ", afirma o professor Diogo Cestari de Aquino, especialista em fisiologia do exercício e reabilitação cardíaca. Mudanças na respiração, a prática de ioga, exercícios de pilates e até aqueles aparelhos que dão choques leves podem ajudar nesta missão. Confira a seguir as dicas do professor e comece já a treinar os músculos e sua habilidade em receber elogios.


1. Controle da respiração
O controle da respiração durante a realização de outros exercícios físicos tem como principal objetivo a estabilização do movimento. Por isso, a respiração em si não traz modificações na estética e no fortalecimento da parede abdominal. No entanto, para um indivíduo destreinado, esse estímulo pode ser suficiente para obter pequenas melhorias nesses músculos, como a diminuição da flacidez.

2. Caminhada e corrida

Os dois exercícios são excelentes aliados na definição dos músculos abdominais. Para conquistar a definição muscular desejada, três fatores são de extrema importância:
- hipertrofia dos músculos abdominais
-diminuição da porcentagem de gordura
-boa postura


A corrida e a caminhada são excelentes aliadas na diminuição da porcentagem de gordura, porque queimam calorias.


3. BOA POSTURA
Ela é fundamental para eliminar a barriga. A postura inadequada pode ocorrer por um desequilíbrio muscular, evidenciado pela fraqueza da parede abdominal e pelo encurtamento da musculatura vertebral lombar e flexores do quadril. Associado a esse quadro, observa-se aumento da lordose lombar, causa frequente de quadros de lombalgia. Por isso, o fortalecimento e o alongamento das musculaturas favorecem a manutenção ou a melhora do alinhamento postural.


4. Aulas de ioga
As aulas de ioga podem ajudar na definição do abdômen. Além das técnicas respiratórias que promovem o trabalho dos músculos abdominais profundos, inúmeras posições da prática solicitam fortemente o trabalho abdominal para a estabilização dos movimentos, contribuindo para o fortalecimento da parede abdominal.


5. PILATES
Os exercícios praticados no Pilates são excelentes aliados na definição da região. Em todos eles, o principio básico é a ativação dos músculos profundos do abdômen, promovendo a correta respiração, a estabilização do centro de equilíbrio e a melhora postural. Além disso, o trabalho dos músculos superficiais do abdômen é extremamente solicitado na execução de inúmeros movimentos, contribuindo para a melhora da definição muscular.


6. Aulas de spinning
As aulas de spinning podem favorecer o abdômen por auxiliarem na manutenção da composição corporal ou na diminuição da porcentagem de gordura. Assim como a corrida e a caminhada, trata-se de uma atividade aeróbia e que, por isso, ajuda na queima de gordura. Mas, por causa da posição sentada, é importante observar a postura e trabalhar, em conjunto, exercícios para melhorar o equilíbrio postural.


7. Alongamento
Apesar de não atuar de forma significativa na diminuição da porcentagem de gordura ou no fortalecimento abdominal, as aulas de alongamento podem auxiliar na melhora da definição muscular. Isso porque esses movimentos promovem o equilíbrio postural, fator extremamente importante também para a estética.


8. Total shape e outros aparelhos
Os aparelhos de eletroestimulação promovem a ativação da musculatura de forma passiva, ou seja, sem que ocorra qualquer recrutamento neuromuscular para a produção do movimento. Essa técnica traz benefícios principalmente as pessoas que estão sem nenhum tipo de prática esportiva ou em reabilitação física, melhorando a tonificação muscular. Mas o ganho de força é limitado, ou seja, o impacto restringe-se à aparência.


A combinação perfeita
Não existe um exercício capaz de realizar esse objetivo. Para tonificar o abdômen, é importante conciliar exercícios de fortalecimento com sessões de treinamentos aeróbios, para diminuir a porcentagem de gordura. Além disso, é preciso trabalhar o fortalecimento e o alongamento dos músculos que mantém a postura equilibrada.


Tonificação ou hipertrofia?
A diferença entre o trabalho de tonificação e hipertrofia muscular não está na modificação dos exercícios, e sim na intensidade e volume de trabalho a ser realizado. Para priorizar a hipertrofia, a carga (intensidade) de trabalho deverá ser maior, portanto o volume (repetições) total diminui. Em trabalhos de tonificação muscular, o volume total de trabalho é aumentado, portanto a carga de trabalho fica diminuída (em relação a um treinamento para hipertrofia). Vale lembrar que, para qualquer um dos objetivos, as últimas repetições devem ser realizadas com dificuldade.

VEJA TAMBÉM MATÉRIA PUBLICADA EM
6 ABR 2012
SAIBA COMO CORRER PARA PERDER A BARRIGA?









.

sábado, 25 de julho de 2009

DESCER DO SALTO ALTO PODE SER BOM PARA SUA COLUNA







Saltos nas alturas: amigo ou vilão?









Para a mulher moderna, salto alto é sinônimo de elegância, beleza e sofisticação. Seu uso empina o bumbum e coloca o peito para frente, deixando a mulher com uma postura mais imponente. Apesar das grandes vantagens desse essencial acessório feminino, é preciso ficar atento para os problemas que ele pode causar.

Quando usado desmedidamente, o salto alto pode provocar danos à coluna, problemas no joelho e até o encurtamento dos músculos da panturrilha. De acordo com a reumatologista Evelin Goldenberg, o uso do salto aumenta a lordose e, com isso, a dor nas costas e nos pés.
O salto grosso dá maior sustentação e equilíbrio, ao contrário do salto agulha que deve ser sempre evitado.
O mais correto e indicado pelos médicos é fazer, durante a semana, um rodízio entre saltos mais altos e mais baixos. Na realidade, o que não se pode deixar é que os pés se "acostumem" a um tipo específico de salto. Se fizer isso, a cada mudança na altura, as dores aparecerão.
“Segundo um estudo realizado pela Unifesp, o salto mais recomendado para uso diário é o de até 4 cm. Além das dores, o salto alto favorece a torção do tornozelo e em idosos aumenta o risco de quedas e fraturas secundárias”, afirma Evelin.
O mais preocupante deles é o famoso salto agulha, um dos principais responsáveis pelo encurtamento do músculo da panturrilha. Justamente por elevar demais o calcanhar, o sapato de salto muito fino faz com que o peso do corpo fique todo concentrado na parte da frente do pé, causando desconforto, dor e problemas na coluna.
Mas, se o uso do salto alto é imprescindível no dia-a-dia, a recomendação é que se dê preferência para aqueles grossos, que dão maior sustentação e equilíbrio, e não forçam demais determinadas áreas do corpo. “A elegância de uma mulher não está apenas no salto do sapato, mas sim no vestuário, elegância e educação”, lembra Evelin.
As plataformas também são indicadas para quem não abre mão de uns centímetros a mais: por terem o salto alto por toda a extensão da sola, o sapato tipo plataforma consegue fazer uma melhor distribuição do peso do corpo.
Tipos de salto e seus efeitos
Agulha
Vilão dos vilões, o sapato com este salto e bico fino não é recomendado nem para a mais especial das ocasiões. Causa desequilíbrio porque reduz muito a participação do calcanhar na sustentação do corpo, além de deixar os dedos muito desconfortáveis.
Fino
O modelo com salto fino "achatado" oferece mais equilíbrio que o tipo agulha, mas não deixa a mulher livre de torções de tornozelo e dores nos dedos e na planta do pé.
Plataforma
Este salto oferece uma melhor distribuição da pressão exercida pelo corpo sobre os pés. A ponta angular facilita a impulsão do corpo ao caminhar.
Quadrado
O modelo grosso e quadrado é um dos eleitos pela maioria das mulheres que querem manter a elegância por longos períodos do dia. Esse tipo de sapato deixa o calcanhar bem apoiado, o que ajuda no equilíbrio do corpo.
3 cm
O sapato baixo, com salto de até três centímetros, é o único recomendado por especialistas para o uso diário constante.
Por Christianne Valente